A CONTA DO TEMPO

A conta do meu tempo,

Quantas vezes, sob pressão, obrigado fui dar conta;
Sem tempo para tanta conta, Quanta conta fiz, que nem percebi o passar do tempo.
Enquanto fazia a conta do tempo, deixava o tempo rolar sem fazer conta; Esquecendo o tempo, mal pudera supor que o que se conta, é o que se perde e de volta não trás o tempo.
Por conta de tanta conta, ocupava o tempo, e da exaustão não me dava conta; Era-me forçoso apenas dar conta em tempo. Quando vi então, que buscava tempo sem conta, para resgatar o passado, esquecido no tempo,

Ser maduro ou ser velho

Ser maduro ou ser velho
"Maduro é quem tem muita idade; velho é quem perdeu a jovialidade

domingo, 5 de dezembro de 2010